quinta-feira, 17 de março de 2016

12 Lições que eu Aprendi com a Wicca


12 Lições que eu aprendi com a religião Wicca nesses quase 11 anos de pratica. 

Antes de tudo é importante dizer que as pessoas tiram lições diferentes de uma mesma situação, as pessoas de um modo geral aprendem de formas diferentes, alguns só de lerem um assunto já aprendem e gravam aquilo para o resto da vida, outros precisam ler varias vezes a mesma coisa e tem gente que só aprende fazendo ou tendo uma explicação mais pessoal de outra pessoa.

1 – Não tenha Expectativas Altas: É simples, se você mantêm suas expectativas baixas você não se decepciona tanto, seja com livros, cursos, grupos ou pessoas. Tem alguns que eu gostaria de nunca ter conhecido, outros são pessoas que vão trilhar um caminho diferente do meu. 



2 – Você não tem obrigações: Diferente das religiões mais tradicionais, a Wicca não exige muitas obrigações de seus sacerdotes, vale a regra “viva e deixe viver”.

3 – Faça tudo o que quiser, sem mal causar: Preciso mesmo dizer? Pelo visto tenho. Esse é um dogma na Wicca que eu comprovei ser possível de ser seguido. Já desejei que coisas ruins acontecessem com as pessoas que me prejudicaram, sou humano isso é normal. Mas não precisa fazer magia negra ou no popular “macumba” para prejudicar os outros, tudo o que fazemos volta para nós cedo ou tarde, eu prefiro deixar que o universo se encarregue de “cuidar” dos outros da forma certa e em seu devido momento como diz o velho ensinamento “quem planta colhe”.

4 – Nem todo mundo nasceu para a Luz: Não é o meu caso, mas existem pessoas e algumas facilmente reconhecíveis, que apesar de serem boas e honestas, nasceram para o lado mais “escuro” da espiritualidade, mais negativo, não necessariamente satanismo, ou demônios, mas simplesmente pessoas que nasceram para as trevas que apavoram muitos.
Sobre essas pessoas das “sombras” só existem duas possibilidades, ou você se afasta do individuo ou grupo, ou você se protege da energia negativa. 

5 – Não bater boca com os outros na internet: Isso eu já escrevi varias vezes, mas é importante acrescentar. Não existe motivo para você ficar querendo forçar a pessoa a pensarem como você, como se você fosse o dono da verdade, por mais que você saiba que tem razão. E essa lição que eu aprendi tem conexão com o item anterior.

6 – Os Deuses não são nossos empregados: Eles não tem obrigação de nos ajudar, e para ser sincero, nós não temos obrigação de reverenciar alguma dessas divindades.

7 – Magia é o ato de direcionar a energia com um objetivo especifico: Magia não é branca e nem negra, mas apelidamos de magia negra as que são feitas com energias mais “sombrias” ou magias do tipo (necromancia, satanismo, demonologia, goetia) também essas magias obscuras são chamadas de “baixa magia”, tradicionalmente a magia branca é a “magia cerimonial” ou “alta magia”, mas muitos tratam a magia branca de forma genérica podendo ser formas de xamanismo, magia natural, magia com velas. 


8 – Se sua magia deu certo é mérito seu: Se uma magia não da certo existem dois motivos para isso, o primeiro foi você que a fez de forma errada, em um dia errado ou com matérias incorretos, o segundo motivo é que sua magia não teve energia o bastante para fazer a sua vontade se manifestar no mundo real. Por exemplo, se alguém fizer magia ofensiva para te atacar, se você tiver uma boa proteção espiritual, a magia ofensiva não ira funcionar em você. Mas se você pedir ajuda aos Deuses para te dar mais energia ou de alguma entidade humana ou não, ai sim você precisa agradecer a divindade ou entidade, pois não é mérito inteiramente seu. Todo pacto ou acordo deve ser honrado.

9 – Tem tipos de magia que não vão funcionar com você: Nem tudo serve para todo mundo, nesse quesito entra a questão 4, 6, 7 e 8. Se você insiste em um sistema de magia, tenta varias vezes e ele não funciona com você, por mais que esteja fazendo da forma correta e com orientação de alguém mais experiente, talvez esse sistema de magia nunca ira funcionar com você.  Tente outro sistema de magia, as pessoas não são iguais por mais que sejam parecidas.

10 – Não caia no modismo religioso: Sim, tem vezes que uma religião ou pratica pode entrar na moda. A gente vê muito isso na sociedade, é só aparecer um pregador “legal” em uma igreja que as pessoas passam a freqüentar-la, mesmo não concordando com as praticas e dogmas daquela igreja.

Já vi um sistema de magia, deusa ou deus e até mesmo um panteão (grupo de deuses) entrar na moda e sair, se você não se sente bem com uma divindade não precisa venerar, em todo o caso, estude sobre os mitos, leia sobre praticas de outras pessoas com essa divindade, experimente fazer uma oração, acender uma vela antes de fazer um ritual mais intenso e maior ou entrar em um coven que tem foco essa divindade.
Essa questão de espiritualidade é muito complexa e individual, ela muda conforme o tempo passa e nós mudamos.

11 – Evite situações tensas: Existe uma regra em alguns covens mais tradicionais de que é proibido os membros se namorarem, isso porque quando o namoro acaba, a situação fica tensa e a amizade acaba, e por fim um ou os dois membros tem que sair do coven.

Quando você entrar em um coven ou grupo de estudo, evite relações sexuais com outras pessoas a principio. Evite também brincadeiras quem podem ser mal interpretadas, piadas de duplo sentido, ficar fazendo poses e bancando ser algo que você não é.
Não finja ser hetero para não sofrer preconceito, já que os bruxos sãos os menos preconceituosos. Nem precisa concordar com tudo que te dizem, para evitar entrar em discussões fale algo como “NÃO TENHO OPINIÃO FORMADA” ou “NÃO SEI BEM SOBRE ISSO”.

12 – Desconfie de tudo: Uma boa forma de saber se uma pessoa esta mentindo ou falando a verdade, é quando a historia começa a ficar absurda, com efeitos especiais.  

Desconfie de pessoas que dizem ter poderes, dons, recebem mensagens de seres sobrenaturais, vê “coisa”. É possível que a pessoa seja honesta e esteja dizendo a verdade, mas nem todo sonho maluco que temos é uma mensagem divina.

Por: Marcus Vinicius Goes Soares